BLOG

Viva o Momento Presente!

Atualizado: 22 de Out de 2019


Hoje o papo é sobre viver o momento presente, sobre treinar a mente para desligar-se das amarras do passado e não sofrer com as angústias e os medos do futuro. Desafiador, não é? Mas acredite: este é o caminho da saúde emocional e física. Estar por completo no aqui e agora.

É claro que podemos e devemos planejar o futuro que desejamos, é claro que parte de quem somos é resultado do conjunto de vivências do nosso passado. Ainda assim, é só no hoje que podemos viver de forma saudável; para o passado, perdão e ressignificação; e para o futuro, fé e esperança.

É possível que você esteja se perguntando como fazer isso, e a boa notícia é que a ciência pode te dar uma “mãozinha”.


Você já ouviu falar em mindfulness?


Jon Kabat-Zinn, fundador da clínica de redução de stress do Massachusetts Medical Center, defende a técnica do mindfulness como uma ferramenta de redução e controle do estresse.

Mindfulness, em português, é traduzido como “atenção plena” e consiste na atenção voltada para o momento presente, ou seja, a capacidade de estar por completo vivendo o agora.

Segundo os estudos apontados pela Sociedade Brasileira de Coaching, viver o momento presente é uma importante ferramenta de combate ao estresse e também de combate a depressão, dores, doenças, recaídas de dependência química, controle de distúrbios alimentares, elevação da inteligência emocional, melhoria da qualidade do sono, otimização dos relacionamentos interpessoais, ampliação da autorregulação, autoconfiança e satisfação com a vida.

Poderosinha esta tal atenção plena, não é? ;)

Pois bem. Vamos entender melhor como ela funciona!


Atenção plena como ferramenta de gestão da emoção


Mindfulness é a consciência ou estado mental que surge ao se prestar atenção, de forma intencional, à experiência ou fenômeno presente, sem julgá-la, criticá-la, ou reagir a ela _(Kabat-Zinn, 2002)

A atenção plena é uma prática milenar da filosofia oriental, praticada no budismo, no taoismo, no zen e no ioga. Ela passou a ser estudada pela psicologia positiva quando descobriu-se que este estado atento da mente é um verdadeiro antídoto para diversas ilusões, deixando a mente clara para a compreensão do agora. A atenção plena, portanto, é uma maneira de ampliar a resiliência psicológica e emocional, favorecendo o aumento da satisfação com a vida ao despertar a conexão com o “eu” e a apreciação da plenitude de cada momento.

Daniel Goleman, autor do livro Inteligência Emocional, aponta ainda que a atenção plena pode auxiliar no desenvolvimento de novos padrões mentais e estimular a resolução criativa de problemas ao aumentar a conscientização do indivíduo sobre as situações enfrentadas e favorecer a compreensão da necessidade de mudança e decisão a respeito do que deve ou não ser mantido em sua vida.

Dessa forma, ao praticar um novo modelo mental, gradativamente o indivíduo se torna mais eficaz em lidar com suas emoções de maneira saudável, experimentando redução do estresse e ampliação da satisfação com a vida, o que também resulta em aumento de performance.

Animador, não é? Então vamos aprender a praticar?


Praticando a atenção plena


Sendo uma prática científica de regulação da atenção, inspirada na meditação, o mindfulness funciona como uma musculação do cérebro, ou seja, uma ferramenta de aperfeiçoamento pessoal por meio de técnica mental. Jon Kabat Zinn define este exercício como uma faculdade espiritual ou psicológica em que o indivíduo supera as ilusões e fica em paz com suas emoções, estando atento para a realidade das coisas. A prática favorece o autoconhecimento, propiciando dessa forma insights e sabedoria intuitiva que promovem a ampliação da autoestima e, consequentemente, da autoconfiança.

A principal ferramenta do mindfulness é a expansão da consciência dos estímulos sensoriais, tornando possível a percepção da respiração e demais sensações fisiológicas.

A atenção plena está, portanto, relacionada à autenticidade − Ser você mesmo; Aceitar e valorizar o que o momento lhe oferece; Não julgar a si mesmo; Ser paciente consigo e com os outros; Confiar em si mesmo e em seus sentimentos. Por este motivo, essa prática também favorece a experiência de flow, que é um estado otimizado de motivação intrínseca que contribui para o desenvolvimento de competências e a ampliação de performance.

Entre os pilares da prática da atenção plena estão:

  • Distanciamento: Habilidade de deixar ir os pensamentos inúteis, as crenças limitantes e o apego ao passado;

  • Aceitação: Abrir espaço mental para o novo – novos sentimentos, impulsos, novas sensações e deixá-los fluir livremente, indo e vindo, de modo que os sentimentos cheguem e desapareçam sem que você precise lutar contra eles;

  • Contato com o presente: Ter uma atitude de abertura e curiosidade para o momento atual, estar totalmente imerso no aqui e agora;

  • Auto-observação: Observar a si mesmo, seus sentimentos, pensamentos, suas sensações e emoções. Embora a atenção plena esteja muito associada à meditação, é possível praticá-la no dia a dia ao concentrar-se na atividade que está sendo realizada, seja ouvindo música, se alimentando, respirando ou pensando.

Confira algumas dicas

  • Sons: Concentrar-se no ritmo das músicas pode estimular ondas cerebrais, de modo que as canções mais rápidas tragam uma concentração mais nítida, e o ritmo mais lento promova calma e leve a um estado meditativo;

  • Sensações: Tanto as sensações físicas como emocionais podem ser ferramentas para ampliar a consciência, como atenção ao momento do banho, por exemplo, percebendo seu corpo, a água e os cheiros;

  • Paladar: Saborear cada mordida, gole ou colherada, comer devagar, prestando atenção no gosto, na textura e no aroma;

  • Pensamentos: Não se perder no constante fluxo de pensamentos. Limpar a mente, deixar os pensamentos apenas irem e virem. Para evitar a concentração em pensamentos não saudáveis que te ocorram, você pode realizar uma atividade cotidiana, como limpeza da casa ou jardim, colocando foco na atividade, e não no que se passa em sua mente;

  • Respiração: Inspirar e expirar devagar, colocar a consciência no modo como respira, contribuindo com o relaxamento físico, mental e emocional. Para isso, conte de 1 a 3 para o ar entrando e de 1 a 3 para o ar saindo algumas vezes ao longo do dia.

Aliás, a respiração é um fator que merece atenção especial. Você pode saber mais sobre sua importância lendo a resenha da obra O Segredo da Saúde aqui no blog!

O Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica do Reino Unido desenvolveu uma técnica nomeada de Mindfulness-Based Cognitive Therapy (terapia cognitiva baseada no mindfulness, em tradução livre) com objetivo de auxiliar a prática de uma respiração saudável. A dica é utilizar estímulos externos como ferramentas para criar um hábito de fazer respirações profundas ao longo do dia, oxigenando seu organismo.

  • No farol: Quando estiver dirigindo no trânsito ou circulando pelas ruas como pedestre, ao parar para o farol vermelho volte sua atenção para a respiração e conte de 1 a 3 para o ar entrando nos pulmões e de 1 a 3 para o ar saindo dos pulmões;

  • Barulhos frequentes: Ao ouvir as badaladas do relógio, ou algum outro barulho recorrente em seu ambiente, utilize este estímulo como recurso para concentrar-se em sua respiração, inspirando e expirando o ar;

  • Cruzando portas: Sempre que cruzar uma porta, concentre-se em sua respiração inspirando três vezes e expirando outras três.

O mindfulness é outro tipo de energia que está em nós sob a forma de uma semente. Se souber como praticá-lo respirando, caminhando e sorrindo, você será capaz de transformar a semente do mindfulness em uma zona de energia. _ Thich Nhat Hanh

Inicialmente, tudo isso pode soar um pouco estranho, mas com o tempo, pela repetição da prática, você será capaz de realizar esses novos hábitos, saindo do piloto automático e atentando a cada momento, saboreando cada vivência, seja o banho, a música, o alimento ou um olhar, um abraço, um toque, seu corpo, sua respiração. Ai que delícia!

Sabe o que acontece? Somos a todo o momento estimulados pela mídia, por pressões sociais e por diversos contextos que nos trazem uma sensação de insuficiência. Mas a verdade é que temos muito. O que nos falta é saber apreciar o que temos, desfrutar cada momento, cada presente que a vida nos dá diariamente.

Há quanto tempo você não olha para a beleza de uma bela flor? Há quanto tempo não se organiza para ver o pôr do sol? Há quanto tempo não vai ao seu lugar favorito? Não prova seu prato favorito ou experimenta um novo prato?

Há algumas semanas adotei uma nova prática em minha vida: todos os dias à noite eu agradeço por todas as coisas positivas que aconteceram no meu dia. Você não faz ideia de como este simples hábito tem o poder de mudar a nossa mentalidade, de gerar sentimentos de satisfação com a vida por meio da gratidão. Experimente estimular suas energias internas positivas − sentimentos bons!

A ciência tem cada vez mais revelado a nossa autonomia e capacidade de escolha sobre nossos pensamentos, comportamentos e nossas emoções. Nomeamos isto no coaching como INTENCIONALIDADE, que consiste na escolha consciente de nossas práticas de vida e que consequentemente define os resultados que teremos nas diferentes áreas da existência.

Gostou deste tema? Quer saber mais? Visite o site Iniciativa Mindfulness e confira outras dicas!

Registre suas dúvidas aqui nos comentários do blog, ou simplesmente me conte o que achou deste artigo e quais os insights que ele gerou em você.

Vou adorar saber a sua opinião.


Construa uma vida autêntica!


Em amor,


#mindfulness #atençãoplena #meditação #práticasdaatençãoplena #viveropresente #artigoscarlarabetti

0 visualização

 São Paulo - SP - Brasil

Atendimento Presencial e On-line

Siga nas redes sociais!

  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • Blogger - Círculo Branco
  • SoundCloud - Círculo Branco
  • LinkedIn - Círculo Branco

Todos os direitos reservados à Carla Rabetti